quarta-feira, 21 de maio de 2008

Os meus amores

Há dias assim, em que nos sentimos cansados. Eu sinto-me cansada. Quando regressava para casa, depois de um dia mentalmente preenchido, pensava o quanto me iria saber bem chegar ao meu canto e encontrar algo ou alguém que me ajudasse a desligar do turbilhão de assuntos resolvidos e por resolver. Desviei caminho e fui tratar um pouco de mim. Pouco faltava para bater as 21h quando meti a chave na porta. O meu olhar fixou-se nos dois Seres que todos os dias me esperam, seja de dia ou de noite, cedo ou tarde. É certo que não falam, que não me ajudam a fazer o jantar, que não me dão uma massagem, que não me perguntam se quero ou não falar. Mas que importa isso se elas estão sempre lá, sempre.
Por minutos esqueço-me de tudo, porque lhes dedico o melhor de mim, com todo o carinho e atenção. E elas, elas reconhecem o amor que lhes tenho. Apesar das traquinices, não deixam de mostrar afecto, ainda que por vezes seja em demasia.
Como disse, estou cansada. Vou deitar-me com a certeza que alguém me fará companhia nesta noite. Elas, as minhas fieis gatas, vão aninhar-se em mim e adormecer ao som das batidas do meu coração, sempre melodioso quando próximo dos que amo. Nem todos conseguem ouvir estas batidas, como elas ouvem e sentem a cada dia que passa.



Imagem CS (Lopo)
-------------------------------------------------------------------------------------------------

Imagem CS (Manu)






Até amanhã ou depois!

1 comentário:

RV disse...

os animais são extraordinários exactamente pelo q transmitem no seu silêncio