domingo, 13 de setembro de 2009

Há momentos na vida em que nos sentimos numa redoma, presos a um quotidiano sincopado, bem diferente de tudo quanto ambicionamos. Olhamos ao redor e tentamos dar graças pelo que temos, pelo que vamos colhendo a cada dia que passa, sem questionar se poderia-mos ter mais ou melhor. Por muito pouco verdadeira que seja a anterior afirmação, sinto-me muitas vezes assim, conformada e apática ao que tenho recebido ao longo desta passagem. Com muito pouco nos contentamos, mas com muito menos nos desiludimos. Faz-me falta o que não tenho, mas muito mais o que gostava de ter. Gostava de um pouco mais de respeito por mim; um pouco mais de amor próprio; um pouco mais de coragem para dizer não; um pouco mais de consciência; um pouco mais de egoísmo; um pouco mais de tento nos actos; um pouco mais de despreocupação; um pouco mais de optimismo; um pouco mais de confiança; um pouco mais de cegueira alheia; um pouco mais de frieza; um pouco mais do que não sou, nem faço por ser, porque esta sou eu, e eu sou assim, quer goste (m) ou não!




PS - O lançamento do áudio livro correu muito bem, com bastantes crianças e respectivos pais e avós a assistirem e a participarem nas muitas actividades que se criaram. Foi emotivo ver miúdos e graúdos a cantarolarem músicas de outros tempos. Ainda que "sozinha", porque não tive o privilégio de ter amigos e colegas de trabalho presentes, foi uma manhã diferente e muito bem passada.

Até amanhã ou depois!

9 comentários:

Menino do mar disse...

Eu gostava de ter ido :(((

Beijo, grande, e um abracinho, que tou a ver que hoje precisas...

Ana C. disse...

Enquanto continuares a desejar, vais aperfeiçoando o teu lado de dentro. Hás de acabar por serenar e muitos parabéns pelo lançamento, não sabia...

korrosiva disse...

A idade serve para isso mesmo, limar arestas.. há coisas que só o passar dos anos nos ensina, mesmo que sejam lições que sabemos desde sempre!

beijinhoss

Lia disse...

Parabéns pelo lançamento, pena que tenhas estado "sozinha"
Quanto ao resto, mesmo quando parece que estamos presos numa rotina lá dentro há sempre o desejo de melhorar, de termos mais. Pode parecer dificil, mas tens que gostar de ti acima de tudo, o resto acaba por vir por acréscimo!

Jocas gordas

Sara M. disse...

acho que as coisas não são assim tão estanques como escreves (ou não deveriam ser). a parte do "um pouco mais do que não sou, nem faço por ser, porque esta sou eu, e eu sou assim, quer goste (m) ou não!" não me convence. se sentes necessidade de mudar alguma coisa, porque não o tentas? a apatia e o conformismo não são as melhores opções, acho eu. ânimo.

ainda bem que correu tudo bem hoje e desculpa não ter dado para estar presente.

*

Chocolate disse...

Não consegui ir! :(((

Sorry mas passei lá à tarde, pedi ao P. para ficar com as kikas enquanto ia levanatr dinheiro, e eles ficaram na fnac... quando cheguei a minha kika mais pequena estava a ouvir o cd e a pedir para comprar :)

Já cá canta!

Aquilo que escreves revela um pouco ou um todo do que eu tb queria... não és unica nessa busca!

Bjs

DIABINHOSFORA disse...

Parabéns pelo lançamento.
Quanto ao resto, todos temos dias assim, em que nos apetece morrer e nascer de novo...o tempo ajuda!

Beijinhos

João Pedro disse...

Only Words, ter percepção sobre o nosso “inner self” é algo que nem todos conseguem (ou querem) alcançar, talvez por ser um processo relativamente doloroso.
Mas também é, sem dúvida, meio caminho andado para perceber onde “trabalhar”, de forma a aperfeiçoar a nossa maneira de ser e de estar na vida, com o objectivo de refinar o nosso espírito. :-)

Beijo e boa semana,

disse...

Oh linda, muitos miminhos e abraços desta tua amiga e se como és, pk as vezes a mudança é pa pior. um dia vais receber algo em troca por todo esse teu esforço e dedicação.

Parabens pelo lançamento!

Bjocas!